O que a crise faz com o seu cérebro? Você pode protegê-lo.

In Artigos by BrainPower10 Comments

Como já falamos neste outro artigo, as crises fazem parte de qualquer economia. Elas vêm e vão, se foi a primeira, seguramente não será a última que você enfrentará.

Mas algo é fato, elas trazem efeitos não só para a economia, elas também impactam e muito o nosso cérebro. O nível de foco, o nível de produtividade, o seu nível de energia, os hormônios que você irá liberar, entre outros.

Independente de qual sua posição política, ao abrir o jornal você constantemente recebe noticias favoráveis e noticias contrárias. Vou tirar os nomes para não tornar isso uma discussão política, não é intenção. Uma hora é uma noticia que diz que a presidente vai cair, ai você cria uma expectativa, ai de repente decidem eleger um super ministro, e você cria outra. Ai o super ministro é retirado do cargo, e você cria uma outra expectativa. E isso foi só o começo, diversos outros fatos seguiram esses. Resumo da ópera, passou todo esse tempo e o que você mais fez foi acompanhar o que acontecer, e o que menos fez foi produzir.

Sua produtividade caiu pra quase zero!

IMAGEM1_BaixaProdutividade

O que será que acontece no nosso cérebro e como minimizar esses efeitos? Vamos analisar então…

Quais os efeitos das noticias de crise?

Antes de mais nada, é importante que você saiba que isso que você lerá abaixo é o fluxo natural. Que aconteceria se você não fizesse nada. Ou seja, você tem o poder de evitar que isso ocorra e o papel deste artigo é exatamente esse. Trazer para a sua consciência o que está ocorrendo para te deixar novamente controle, talvez até por isso você ache importante enviar esse artigo para que seus amigos também voltem a ter controle.

1) Otimismo gera otimismo e pessimismo gera pessimismo.

IMAGEM1_OtimistaPessimismo é um estado quase constante em crises. Noticia ruim atrás de notícia ruim. O que tinha de bom acaba sendo quase que aniquilado por tantos fatos negativos. É tão ruim que parece que tudo ao nosso redor conspira para não restar nada de otimismo dentro de nós.

E nós entramos nisso. É natural do nosso cérebro “entrar na onda”. Quando entramos numa maré negativa, parece que mudamos nossos sensores para a procurar onde piorou. E esse é o primeiro ponto, sempre ficamos nessa procura.

É aquela história do dito popular “cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça”.

Essa maré negativa coloca nosso cérebro em estado de vigília e busca constante de informações alinhadas a nossa expectativa, ou seja, negativas. Nossa atenção começa – portanto – a procurar coisas negativas.

2) Mudança de expectativa: Atenção

IMAGEM3_AtentoCoisas paradas são coisas chatas. Na verdade, tudo que é constante não recebe nossa atenção. Um discurso parado faz a pessoa dormir, um filme parado também.

Agora tudo que faz sua expectativa oscilar, ou seja, você acha que vai acontecer alguma coisa, e acontece outra. Ai você fica esperando que uma pessoa seja presa, e de repente emitem uma liminar que cancela tudo, mas ai descobrem algo novo e a pessoa de novo esta na berlinda, e de repente aparece alguém que salva. É raro alguém dormir num filme de ação. Esse tipo de coisa deixa a gente num estado de alerta constante. Nossa atenção vai inteiramente para isso.

Ou seja, nós não damos nenhuma atenção ao que é constante e ficamos malucos com o que oscila muito. E isso ocorre porque nosso cérebro entende que tudo que oscila muito pode representar um risco muito maior para nós do que o que está parado. Nosso cérebro mais primitivo se encarrega de colocar nossa atenção nisso.

Até aqui ainda não necessariamente estamos fascinados, apenas prestando uma enorme atenção.

3) Sensação de ausência de controle: Fascínio

IMAGEM4_DogUm dos pontos que nos gera fascinação ocorrem exatamente quando essa oscilação é causada por pessoas que podem ter algum impacto na nossa vida que você não tem controle. Tal como um chefe, um político, um médico, um juiz.

Se essa pessoa pode gerar algum impacto na sua vida, você quer saber o que vai acontecer.

É por isso que é muito normal o papo de corredor em empresas (rádio peão), ou seja, pessoas fofocando o que o chefe fez, o que o chefe falou. E é exatamente por isso que também estamos fascinados com a política.

E observe que isso ocorre independente de você gostar de política ou não. O fato de você gostar é o de menos, o que mais importa é o quanto esse fato pode te impactar e você ter a sensação de não ter nada a fazer.

E é exatamente por isso que a política, a crise, estão consumindo a gente, nosso otimismo, nossa produtividade, nosso tempo.

Então, saber isso basta? Está resolvido?

Não. Eu mesmo sei exatamente o que está acontecendo dentro do meu cérebro, mas ainda assim oscilação de expectativa gera atenção, a ausência de controle do meu destino gera fascinação.

Mas pelo menos você está consciente para o fato e o fato de estar consciente te permite controlar suas reações muito mais que a média das pessoas. Pessoas de alta performance controlam seu cérebro, pessoas que são controláveis pelos outros ou ambiente externo nunca serão de alta performance.

E o fato de você ter essa consciência coloca boa parte do controle de volta nas suas mãos. E apenas essa “boa parte do controle” já faz você estar muito acima da média, faz você entregar muito acima da média, e isso basta para você se destacar.

Enquanto muitos passarão o dia inteiro acompanhando algo que os fascina, você será fascinado, se dará conta disso, e poderá voltar a executar o que você precisa se assim desejar.

Como fazer então para controlar, não devo ler noticias?

O ideal é que você crie um plano do dia, na noite anterior ou durante a manhã. Você tem que ter clareza do que tem que ser feito e – principalmente – o porque aquilo tem que ser feito.

( 1 ) Ter um propósito claro, saber o porque algo tem que ser feito é fundamental. É o propósito que nos faz ter presente o impacto de não executarmos o que temos que executar. Saber o que estamos abrindo mão se perdermos o foco é fundamental, e essa consciência nos deixa incomodados e tem uma alta chance de nos colocar de volta com a atenção no lugar correto.

( 2 ) Sempre que algo começar a gerar uma oscilação de expectativa sua, fique atento. Lembre que isso terá uma chance (enorme) de prender sua atenção por algumas horas ou até pelo resto do dia. Acorde, entre em estado de alerta, de consciência quando sua expectativa oscilar assim.

Qual é o risco de não controlar?

A crise já torna o ambiente mais delicado. Neste artigo (link) falamos bastante de como você tem que colocar mais energia para tirar o melhor que uma crise pode nos entregar. Seu foco tem que ser ainda maior nas suas prioridades, pois é somente com foco que os projetos crescem. Agora, se as notícias da crise ganharem a sua atenção e o seu foco, sua produtividade entrará em crise.

Portanto, foque no que você tem que fazer. Ou a crise vai ter mais esse efeito sobre você: você deixa de fazer o que é preciso e vai culpar a crise por se tornar mais uma das estatísticas de desemprego, de empresas fechando, etc. Mas não, esta culpa a crise não tem. Esta culpa será sua, então não deixe que isso ocorra.

Agora você já sabe o que ocorre no seu cérebro. Assuma esse controle novamente AGORA!

PROPOSTA: Agora que você viu como a persuasão tem efeito em todos nós, querendo ou não. Que tal usar tudo isso que você aprendeu acima para persuadir, fascinar positivamente as outras pessoas? 🙂

Para saber mais sobre Neuro Persuasão, não deixe de se inscrever para a Semana da Persuasão em: http://neuropersuasao.com.br

Comments

  1. Incrível esse artigo,aliás, todos artigos que você publica são fascinantes,André.
    São artigos didáticos e de conteúdo sério e inteligente.
    Fantástico!!!

  2. Excelente observação André, envolvidos nos nossos desafios diários, sequer percebemos o quando somos consumidos.

  3. Texto muito bom, na verdade tudo que você escreve é bom, é inteligente é persuasivo…sou sua fã! E vou repassar porque acredito no que li, a mudança de foco pode sim virar o jogo a nosso favor, e agir positivamente num todo.

  4. Gostei muito achei muito interessante. Realmente as influências externas afetam nosso interior. Desfocando nossos objetivos. Política, violências entre outros acabam interferindo em nossa rotina.

  5. André muito obrigado por seus esclarecimentos, são fundamentais neste momento. Quando todos, sem exceção, todos os brasileiros se derem conta de que as coisas só estão do jeito que estão, por nossa exclusiva culpa. Pensem todos, o que temos feito para melhorar nosso país. As más intensões começam logo na infância quando aceitamos que nossos pais nos peçam para fazermos coisas que não são éticas. Nossa cultura de caráter precisa sim deste corretivo pois somos mal acostumados as vantagens alheias.

  6. maravilhoso, o pais esta parado o povo precisa acordar só pessoas como você para desfocar desses turbilhões de informações negativas, parabéns

  7. Entendo perfeitamente como essa crise tem me afetado e vou mudar o foco. Obrigada pela dica.

  8. Ótimo artigo, completou outros artigos que já havia lido. Faz todo o sentido. Abraço de Portugal, Domingos C.

  9. Incrivel.Seus artigos chegaram até mim em um momento que eu e minha familia estamos vivendo de precisar urgente mudar velhos conceitos,reformular tudo e crescer mais. Muito obrigada por estar ajudando a tantas pessoas. Ensinando-nos a refletir e viver melhor. Muita sabedoria pra você para que todos possamos usufruir sempre mais e melhor desses conhecimentos É reflexões. Grata

Leave a Comment