RAPPORT: A Arma Secreta

In Videos Diários by Time BrainPowerLeave a Comment

Veja mais detalhes em:

Curso Neuro Persuasão Avançada
Curso Neuro Persuasão Avançada (André Buric) → Análise Completa + Bônus
7 Motivos para Identificar se o Curso Neuro Persuasão é Para Você
André Buric ⇝ Quem É? (Curso Neuro Persuasão Avançada)

Se inscreva em nossos eventos:

Workshop da Neuro Persuasão e Influência Cerebral – Neuropersuasao.com.br
Semana da Reprogramação Cerebral – Reprogrameseucerebro.com.br
BrainPower | A Sua Academia Cerebral

QUER LER A TRANSCRIÇÃO DO VÍDEO?

Se eu te perguntar agora de bate pronto o que significa a palavra rapport, você saberia me dizer? Porque será que os grandes mestres da persuasão dão tanta ênfase a essa palavra enquanto as pessoas comuns que realmente não entendem a arte da persuasão, não dão tanta ênfase assim? A gente vai falar disso nesse vídeo. Opa, o André do BrainPower, A Academia do Cérebro, criador do método neuro persuasão e nesse vídeo a gente vai falar de uma das técnicas mais fundamentais, mais fortes e mais intensas de toda a persuasão. É a técnica que todos os grandes mestres dão muita ênfase, enquanto realmente as pessoas comuns não conseguem entender a real importância da tal palavra rapport.

Rapport é uma palavra que vem da língua francesa e eu morei na França, então para mim é um pouco mais fácil explicar. Você pode falar “essa coisa tem relação com outra coisa, ou em relação essa outra coisa”. Basicamente é uma palavra que significa “relação”, representa basicamente quando a gente está trazendo isso para o mundo da comunicação. Significa gerar empatia, ou seja, uma relação de confiança e harmonia dentro de um processo de comunicação, dentro do qual a pessoa acaba ficando muito mais aberta e receptiva para interagir, trocar e receber informações. Realmente é um nível de simbiose quase, que as pessoas vão criando entre si. E quando essa essa simbiose, ela já é realmente intensa, a troca de informações é muito mais forte.

Se você parar para prestar atenção, as pessoas quando se conhecem, você pega um rapaz e uma menina quando eles se conhecem, eles não necessariamente estão entrosados no primeiro momento, mas conforme a conversa vai evoluindo eles estão muito entrosados. O gesto que um faz o outro repete, a mão que um coloca o outro coloca da mesma maneira, então a coisa acaba ficando tão interativa que a comunicação realmente ela é muito intensa, e acaba levando até para outras coisas que não é o foco dessa conversa. Mas basicamente o rapport realmente faz com que todo e qualquer comunicação ganhe uma intensidade, ganha um foco de troca muito forte e nessa troca é que realmente a persuasão pode acontecer.

Quando você tenta persuadir uma pessoa que você ainda não estabeleceu um nível de rapport mínimo, realmente a comunicação não vai acontecer. É igual se você estiver atravessando a rua, alguém para você no meio do caminho e fala “você quer comprar uma camisa?”. Que? Como assim? Você realmente não sabe nem quem é a pessoa, nem o que está acontecendo. A pessoa realmente não fez o mínimo para estabelecer o rapport. Agora se a pessoa… você está no meio do caminho, está vindo uma moto e você segura a moto, falando “só um minutinho”, atravessa a pessoa, você acompanha a pessoa e aí você a espelhar a pessoa, você começa realmente a se aproximar cada vez mais da pessoa. Aí sim, você realmente está estabelecendo um nível de contato muito forte que vai te permitir oferecer uma outra coisa ou simplesmente se aproximar cada vez mais da pessoa.

Essa aproximação ela é fundamental. Eu vou falar um pouquinho mais como a gente pode fazer essa aproximação de um jeito intencional, porque realmente o rapport, ele acontece quando as pessoas ganham intimidade. E a gente pode pegar os elementos da intimidade e fazer isso de uma maneira intencional, de uma maneira consciente. Ou seja, a gente pode sim estabelecer o rapport de uma maneira consciente, para assim a comunicação ficar muito mais fluída, muito mais gostosa, muito mais agradável e aí sim, a comunicação permitir que a persuasão ganhe espaço, né? O rapport basicamente ganhou uma grande expoência no mundo pelo Tony Robbins.

Eu estava em um treinamento dele nos EUA a dois, três meses atrás e basicamente ele é o cara que realmente fala muito de rapport, ele realmente entende a real relevância de rapport. E segundo ele, rapport é a capacidade de você entrar no mundo de alguém, fazê-los sentir que você entende e que vocês têm um forte laço em comum. É a capacidade totalmente do seu mapa do mundo para o mapa do mundo dele. Ou seja, é a essência da comunicação bem sucedida. Basicamente o grande ponto da definição de Tonny Robbins é que você realmente tem um forte laço em comum. Quando a pessoa começar a achar “olha, realmente ele pensa como eu”, ela pode realmente desarmar dentro da cabeça dela os gatilhos que travam ela né? Ela basicamente começa a baixar a resistência. E como você já sabe, se você está assistindo essa série, a persuasão é basicamente quando você consegue acessar o subconsciente da pessoa porque o consciente realmente, bloqueia novas mensagens.

Esse acesso ao subconsciente, realmente faz com que você realmente tenha possibilidade de convencer a pessoa, de colocar novos argumentos, realmente fazer com que ela enxergue o mundo de outra maneira ou permitir que ela entenda a real importância daquele produto que você está oferecendo na vida dela. Então, o rapport é fundamental. Nesse treinamento que eu estava a três meses atrás do Tony Robbins, ele pediu para a gente fazer um exercício né. Era um congresso de 7 mil pessoas lá em nova york. Uma época extremamente fria, mas dentro com 7 mil pessoas, obviamente que não estava nem um pouco frio. E um dos exercícios que ele falou lá na frente era basicamente para você começar a espelhar uma pessoa sem a outra pessoa perceber.

E ele falou para fazer isso fora do congresso, depois que acabasse e etc. Só que teve uma pessoa, né, a gente foi em um grupo de brasileiros de 50 pessoas, talvez até um pouco mais… Uma das meninas que estava nesse grupo, depois ela foi no final do treinamento que o grupo se reuniu ela contou essa experiência. O que ela fez? Basicamente na hora que ele pediu, ela já começou a fazer. Eram basicamente grupos de cadeiras, eram muitas cadeiras, aí tinha um corredor, aí tinha outros grupos de cadeiras logo do lado. Basicamente ela começou a espelhar uma pessoa do outro grupo. Ela tava na ponta desse grupo de cadeiras e ela começou a espelhar uma pessoa que estava logo ali, do outro lado, no outro grupo de cadeiras.

Tudo que a pessoa fazia, ela fazia. A pessoa cruzava a perna, ela ia lá e cruzava a perna. A pessoa balançava a cabela, ela balançava a cabeça e se estabeleceu a conexão. Aí entra o momento mais mágico de todos, ela fez ela o cruzamento de pernas para o outro lado, do nada, e a outra pessoa repetiu. Ou seja, é tão intuitivo, é tão subliminar, é tão dentro do nosso cérebro, que realmente a gente nem está consciente que a gente entrou em um nível de rapport com a outra pessoa. E basicamente essas duas pessoas ficaram muito conectadas. Engraçado ainda, que depois de tudo isso, no final do evento, e aí não sei se é obra do acaso, o que aconteceu, mas realmente no final, no último dia, veio essa menina que estava espelhando a outra menina e ela chegou para a brasileira e falou “olha, você é muito espontânea, você é muito bonita, etc etc… e você me lembra minha irmã”.

Nossa, como assim? Então eu não sei realmente, aí não dá para a gente saber, não existe como provar agora. Mas se a gente não sabe se essa conexão, essa intimidade foi tanta, que a menina entendeu que ela realmente era parecida pelos gestos ou se era uma aparência muito mais física. Mas enfim, isso fica no ar, não dá para a gente saber. Mas realmente é isso que a intimidade propicia. O grande ponto do rapport é que quando você está falando com uma pessoa, que você já estabeleceu o rapport, você pode discordar dessa pessoa e ela não vai entrar em um embate com você porque realmente já tem essa permissão, né? De você fazer esse tipo de coisa. Você pode sim, até brincar com essa outra pessoa. Então o rapport te permite fazer coisas muito engraçadas que você não poderia fazer, coisas questionadoras que você não poderia fazer se você acabou de conhecer essa pessoa.

E basicamente você pode fazer isso na persuasão, pode fazer esse tipo de coisa quando você realmente está tentando convencer uma pessoa, a partir do momento que você realmente estabeleceu o rapport com a pessoa. Então quando a pessoa estiver na sua frente e ela balançar a cabeça… esse é o rapport de espelhamento, o rapport físico, né? Você também balança a cabeça. Não imediatamente, não fica uma coisa tão mecânica, mas quando ela começar a balançar, você olha e você começa a concordar com ela. Quando ela faz um gesto e ela encosta na cadeira para trás, você volta e encosta para trás. Se ela apoia o cotovelo na mesa, você dá um tempinho e apoia o cotovelo na mesa. Você começa a estabelecer essa simbiose com a outra pessoa e isso é extremamente importante e poderoso. Os mestres da persuasão dão muito mais foco para isso, até do que está sendo falado.

Eles dizem que esse rapport, de todos os sinais, seja o físico, seja de todos os rapport que existem, são muito mais críticos até do que a comunicação, porque a comunicação é uma parte do que é entendido, mas o rapport realmente estabeleceu um contato muito mais intenso. Essa é a importância do rapport. Foque muito no rapport, não subestime a importância do rapport para uma relação forte, para uma persuasão cada vez mais forte. E ele é tão forte, e aqui é uma dica de saideira, ele tem ainda uma outra relevância. No momento em que você quer discordar de uma pessoa mas você não quer dizer para essa pessoa que “não concordo com o que você está falando”, porque as você não deve discordar de uma pessoa em uma negociação, em uma persuasão. Você deve de alguma maneira ser sutil mas dizer que você não concorda.

Quando a pessoa está te dizendo e você estão os dois apoiados ali, com o cotovelo na mesa e ela falou uma coisa agora que você não concorda, você dá uma respirada e recua. Ela vai entender que você não concordou. Então você consegue inclusive através do anti rapport, estabelecer uma desconexão e essa desconexão diz tudo para a pessoa sem você dizer. Então basicamente você continua sendo a pessoa simpática, que está ouvindo ela, 100% de atenção para a pessoa, mas ao mesmo tempo você discordou dela. E ela vai se sentir de alguma maneira desconfortável e ela vai por você não ter dito que você discordou, por você não ter argumentado, ela não vai estar ancorada naquele ponto. Esse é um ponto muito importante.

Quando você fala “cara, você está errado”, a pessoa entra na defensiva e quer justificar, né? Se você não diz que ela está errada e se você discorda através do anti rapport, basicamente o que você está dizendo para ela é que você discordou e ela automaticamente não entra na defensiva e vai sim tentar achar uma outra maneira de fazer aquele mesmo ponto. É extremamente poderoso o rapport, é subliminar, é dentro do cérebro da pessoa. Pensa nisso, você está falando com o cérebro da pessoa instantaneamente, é um acesso ao subconsciente.

Então realmente é extremamente crítico, use isso, você vai ficar abobalhado com os resultados, com os impactos que tem na persuasão e na realmente na sua capacidade de influenciar as pessoas. Se você acha que esse vídeo pode ajudar alguma pessoa que pode realmente usar o rapport no dia a dia, encaminhe esse vídeo para essa pessoa. Realmente espero que ajude o máximo de pessoas possível, adoraria ver o seu comentário aqui embaixo, dizer o que você achou do rapport, como isso pode te ajudar no dia a dia e sugestões de novos vídeos. Se você puder, além de tudo, clique em um botão que está aqui em volta, cada hora o youtube coloca em um canto, de você se inscrever no canal do Brainpower. Você vai ser o primeiro a ser notificado desses vídeos e é isso, deixo um enorme abraço e até amanhã, no próximo vídeo.

Leave a Comment